SiteJornalOlhodeAguia
Noticias
17/07/2017 10:54
Os Fotojornalistas Gabriel Chaim é fotógrafo freelancer e o carioca Felipe Dana em Mossul.Foto: Felipe Dana
'Vi bombas, tiros, ataques suicidas': os fotógrafos brasileiros que retratam batalha por Mossul.FONTE:http://www.bbc.com

 Luciana Barros

Montagem: Gabriel Chaim e Felipe Dana em MossulDireito de imagemJANA ANDERT / MSTYSLAV CHERNOV
Image captionGabriel Chaim (esq.) está há sete meses na frente de batalha em Mossul; Felipe Dana (dir.) está acompanhando os deslocados pelo conflito

Eles não se conhecem e não trabalham juntos. Em comum, cobrem a mesma guerra. Mas com olhares distintos.

O paraense Gabriel Chaim é fotógrafo freelancer - um profissional independente -, enquanto o carioca Felipe Dana trabalha para a agência de notícias americana Associated Press (AP).

Ambos trabalham em um ambiente extremamente hostil: desde outubro, pelo menos dois jornalistas morreram e 14 ficaram feridos na cobertura da batalha para recuperar Mossul, a segunda maior cidade do Iraque, transformada em reduto do grupo autodenominado Estado Islâmico (EI).

A informação é do Journalistic Freedoms Observatory (Observatório da Liberdade de Imprensa, em inglês), organização independente baseada na cidade iraquiana de Nínive e que tem registro de 320 jornalistas iraquianos e estrangeiros trabalhando na região.

'Nunca passei tão perto da morte'

"Venho cobrindo os curdos. Cheguei ao Curdistão iraquiano para acompanhar a retomada das cidades nos arredores de Mossul. Estou há sete meses no front, acompanhando um batalhão", conta Chaim por telefone.

Gabriel Chaim e soldados iraquianos em MossulDireito de imagemCAUE ITO
Image captionChaim (de capacete) vive a rotina da frente de batalha lado a lado com os soldados iraquianos - e se sente como um deles

"Acabei de chegar em Erbil (a 80 km de Mossul) depois de uma operação de 22 dias. Foi um terror, nunca passei tão perto da morte como nessa última operação, na cidade de Bashiqa. Foi incrivelmente perigoso. Vi bombas, tiros, ataques suicidas...mortos e feridos. Estou agora colocando minha cabeça no lugar, ficando bem, para seguir outra operação daqui a sete dias."

Cerca de cinquenta mil homens das forças de segurança iraquianas, combatentes curdos iraquianos (os peshmergas), grupos tribais sunitas e milícias xiitas participam dos combates, com apoio da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos.

'Soldado sem arma'

"Quando você fica muito tempo no front, acaba se tornando quase um soldado. Um soldado sem arma. Minha arma é o meu equipamento fotográfico", diz Chaim, que passa longos períodos na frente de batalha.

Médico do Exército dos EUA segura bebêDireito de imagemGABRIEL CHAIM
Image captionUm médico americano voluntário do Exército curdo segura um bebê que perdeu toda a família na fuga de Mossul neste registro de Gabriel Chaim; ele conta que na mesma noite mais de 200 pessoas fugiram de Mossul e chegaram às trincheiras das forças curdas pedindo socorro
Soldado curdo é atingidoDireito de imagemGABRIEL CHAIM
Image captionNesta foto outra foto de Gabriel Chaim, soldado curdo peshmerga é atingido por atiradores do EI durante intensa troca de tiros na disputa pela cidade de Bashiqa, nos arredores de Mossul

"Sempre gostei de ficar bastante tempo no front para tentar captar o dia a dia, não só da guerra, não só da bala, mas como esses soldados vivem. Não só aqui no Curdistão iraquiano, mas também na Síria."

"Essa é a essência do meu trabalho, tentar captar realmente o que acontece por trás da guerra. O dia a dia dos soldados."

Chaim tem 35 anos e começou a fotografar profissionalmente em 2012, depois de cursar gastronomia em São Paulo e passar uma temporada em Dubai, "estagiando e fotografando comida em restaurantes caros".

"Depois fui para a Itália estudar fotografia. Meu sonho era cobrir conflitos", conta.

"Quando você está cobrindo um conflito, se depara com milhares de pessoas que perderam as vozes, que não têm mais como suplicar por ajuda. Todos os dias eu realizo um sonho quando consigo dar voz a essas pessoas."

Chaim diz que tem uma missão:

"Ser um fotógrafo numa área de conflito é tudo na minha vida. Não sei viver sem isso e é a única coisa que eu sei fazer hoje. Todas as vezes que volto para o Brasil, para uma vida cheia de rotinas e normalidades, parece que tudo aquilo não me pertence mais. Sinto muita falta de estar vivendo o dia a dia de uma área em conflito."

Crianças nos escombros e fogo ao fundoDireito de imagemFELIPE DANA/AP
Image captionNessa foto de Dana, crianças vivem e brincam em meio aos escombros em que se transformaram os vilarejos vizinhos a Mossul após o avanço das forças iraquianas
Fila de homens em campo de refugiadosDireito de imagemFELIPE DANA/AP
Image captionMilhares de pessoas foram deslocadas e agora vivem em campos de refugiados iraquianos; neste registro, Dana mostra adolescente na fila de homens

Ele conta que tem se dedicado mais a filmar do que a fotografar a frente de batalha. Seus trabalhos têm sido exibidos pela rede americana CNN, a alemã Der Spiegel TV e, no Brasil, pela Rede Globo. Em dezembro, deve apresentar a série Zona de Conflito, do History Channel.

Chaim diz se identificar muito com os soldados:

"É muito importante fazer com que as pessoas com quem estou trabalhando em conjunto, os soldados, se sintam confortáveis com a minha presença. Gosto de parecer um deles, de estar com eles."

"Nessa operação de 22 dias, dormi no chão com o colchão que eles têm, com os cobertores que eles têm. Faço exatamente tudo que eles fazem. No almoço, comia como eles arroz com feijão branco; no café da manhã, pão com queijo industrializado. Não levo comigo nada diferente. Não quero ser ninguém especial nem diferente deles. Quero que os soldados me olhem como um igual."

Em meio à saudade, o fotojornalista criou uma estratégia para "proteger" a família.

"Jamais publico nada pessoal nas redes sociais, para não preocupar as pessoas que ficaram para trás. Minha mãe entende hoje que esse é o meu trabalho, mas fica extremamente triste e preocupada quando sabe que estou no front."

"Nunca conto para ninguém onde estou. Os parentes e amigos sabem que estou numa zona de conflito, mas não sabem o que acontece. Ninguém sabe, na verdade."

Homem ferido com gaze no olhoDireito de imagemFELIPE DANA/AP
Image captionEntre os que fogem, há muitos moradores feridos no fogo cruzado ou nos bombardeios - como nesta outra imagem feita por Felipe Dana

A ofensiva para a retomada de Mossul tem sido extremamente difícil. Os militares dos EUA calculam que o Estado Islâmico tenha entre cinco mil e oito mil combatentes na região. Eles estão escondidos entre a população, estimada em 1,5 milhão de habitantes.

Retrato do sofrimento

O fotojornalista carioca Felipe Dana, de 31 anos, está baseado em Erbil. Ele explica que seu foco é o drama humano - a população atingida pela guerra.

"Estou focando nas pessoas deslocadas pelo conflito, especialmente nas famílias. Elas são mais importantes do que o tiroteio, do que as bombas. O mais interessante são as pessoas, o que está em volta do conflito. É a destruição de cidades inteiras, com milhares de pessoas vivendo nos escombros", diz.

"Seguimos o Exército. Quando as tropas chegam, começam os ataques aéreos e por terra. As pessoas saem das casas e escombros com bandeiras brancas. Uma quantidade impressionante de crianças e mulheres", acrescenta.

Crianças brincam de escorrega com destroçosDireito de imagemFELIPE DANA/AP
Link:
0 Comentários | Escrever comentário

 

Motörhead "Heroes" (David Bowie Cover)

Motörhead to release Under Cöver in September 2017 Covers compilation to include new version of David Bowie’s “Heroes”, (above)
Bruce Springsteen, U2, Patti Smith - Because The Night RNR HOF 2009


Renato Teixeira - Tocando em Frente


 

 

 

GERALDO Magela parabens amigo Ivaldo pela sua luta e honestidade e carater valeu amigo
Contador de Visitas
Hoje: 188
Desde 15/05/2011: 4.505.365
Voc? e a favor que o Jardim Bot?nico de Bras?lia - JBB. cobre da popula??o pra tirar foto?
n
sim