Lan?amento do livro de contos O Casulo Exposto do Jornalista Ray Cunha. dia 3 de maio, uma sexta-feira, na Galeria Olho de ?guia em Taguatinga Norte, Pra?a da CNF 1 (atr?s dos Supermercados T?kio, na Avenida Sandu), Edif?cio Praia Mar (o maior, no local),

23/04/2013 08:12

 Brasília como ela é

 

Ray Cunha

raycunha@gmail.com

 

 

BRASÍLIA, ABRIL DE 2012 – Estarei autografando meu livro de contos O Casulo Exposto (LGE Editora – hoje, Ler Editora –, Brasília, 153 páginas, R$ 28), dia 3 de maio, uma sexta-feira, na Galeria Olho de Águia/BarFaixa de Gaza, em Taguatinga Norte, Praça da CNF 1 (atrás dos Supermercados Tókio, na Avenida Sandu), Edifício Praia Mar (o maior, no local), Loja 12, a partir das 20 horas. A Galeria Olho de Águia é do repórter e ensaísta fotográfico Ivaldo Cavalcante (dois livros publicados e Prêmio Rei de Espanha), editor do Jornal Olho de Águia - A Voz do Fotojornalismo.

 

Desde que chegou às livrarias, em 2008, será a primeira sessão de autógrafos de O Casulo Exposto, que, em Brasília, ainda pode ser encontrado na Livraria Cope Espaço Cultural, na 409 Norte, Bloco D, Loja 19/43, telefone: 3037-1017, e-mail: copelivros@ibest.com.br. Livreiros interessados poderão pedi-lo para o editor, Antonio Carlos Navarro, pelo telefone: (55-61) 3362-0008 ; fax: (55-61) 3233-3771; e-mails: lereditora@lereditora.com.br e acnavarro@lereditora.com.br, ou na própria Ler Editora, no SIG (Setor de Indústrias Gráficas), Quadra 4, Lote 283, prédio da Fórmula Gráfica, Primeiro Andar.

 

Está à venda, ainda, na Livraria Cope, meu livro Trópico Úmido – Três Contos Amazônicos (edição do autor, Brasília, 2000, 116 páginas), que pode também ser pedido diretamente a mim, pelo e-mail: raycunha@gmail.com, a R$ 30, incluindo frete.

 

O Casulo Exposto enfeixa 17 histórias curtas ambientadas no Distrito Federal. Desde 1987, trabalho como jornalista em Brasília, cobrindo amplamente a cidade-estado, o Entorno e o Congresso Nacional, o que me proporcionou conhecer bem essa geografia, inclusive a humana, a qual serviu para criar as personagens e o cenário para esses contos.

 

O casulo é uma alegoria à redoma legal que engessa o Patrimônio Cultural da Humanidade, a borboleta de Lúcio Costa, ninfa golpeada no ventre, as vísceras escorrendo como labaredas de luxúria, depravação e morte nos subterrâneos da cidade dos exilados, a fauna heterogênea que transita na esfera política e chafurda nos subterrâneos da cidade-estado, amazônidas que deixaram a Hileia para trás e tentam sobreviver na fogueira das vaidades da ilha da fantasia; jornalistas se equilibrando no fio da navalha; políticos, daquele tipo mais vagabundo, que não pensam duas vezes antes de esconder merenda escolar na mala do seu carro e dinheiro na cueca; estupradores; assassinos; bandidos de todos os calibres; tipos fracassados e duplamente fracassados, misturando-se numa zona de fronteira e penumbra.

 

NA BOCA DO JACARÉ-AÇU – A AMAZÔNIA COMO ELA É – Em maio/junho, a Ler Editora lançará meu próximo livro, Na Boca do Jacaré-Açu – A Amazônia Como Ela É, 14 histórias curtas ambientadas em Belém do Pará e na ilha de Marajó.

 

EU – Nasci em Macapá, a capital do estado do Amapá, uma cidade que dormita sob a canícula da Linha Imaginária do Equador, na Amazônia Caribenha, debruçada sobre o Amazonas, na margem esquerda e a cerca de 200 quilômetros da bocarra do maior rio do planeta, quando inocula pelo menos 200 mil metros cúbicos de água e húmus por segundo no Atlântico, tornando as costas do Amapá e do Pará as mais ricas em peixes e frutos do mar em todo o planeta. Como já foi dito, moro em Brasília.

 

Estreei na literatura em 1971, com o livro coletivo de poemas Xarda Misturada (edição dos autores, Macapá), juntamente com o poeta e contista José Edson dos Santos (Joy Edson) e José Montoril; em 1982, publiquei Sob o Céu nas Nuvens (edição do autor, Belém, poemas); em 1990, lancei A Grande Farra (edição do autor, Brasília, contos); em 1996, a Editora Cejup, de Belém, lançou o conto A Caça. Em 2000, saiu Trópico Úmido - Três Contos Amazônicos e, em 2005, a Editora Cejup lançou o romance A Casa Amarela, ambientado em Macapá, no ano do golpe militar de 1964.

 

Aguardo vocês na Galeria Olho de Águia/Bar Faixa de Gaza.

 

Meu e-mail é: raycunha@gmail.com e meu blog: raycunha.blogspot.com.

 

eu e-mail é: raycunha@gmail.com e meu blog: raycunha.blogspot.com.

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

80197

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now