Fotografia como suporte para a imagina??o & O cinema e a fotografia surrealista.Local:Espa?o f/508 de Fotografia SCLN 413 Bl D sala 113 ? Asa Norte | Bras?lia/DF Tels.: 61 3347 3985

17/06/2013 11:09

 Olá pessoal, dois excelentes cursos sendo oferecidos pelo f/508.

 
1) Fotografia como suporte para a imaginação, com Bruna Neiva
 
Bruna Neiva é pesquisadora em arte, artista visual e produtora cultural. Possui mestrado na linha de Poéticas Contemporâneas pela Universidade de Brasília, onde desenvolve sua pesquisa com foco em fotografia, performance e suas infiltrações na arte contemporânea. Graduada em Comunicação Social pela Universidade de Brasília, iniciou sua trajetória como fotojornalismo no Jornal de Brasília.  Atualmente trabalha com produção cultural, arte-educação e na tessitura de seu trabalho poético autoral, em exposições coletivas e individuais.
 
 
Imagem inline 1
FotoDuane Michails
Sobre o Curso
O curso pretende acender discussões acerca da tradição apegada ao real na fotografia. A fotografia usada como suporte da imaginação abre a possibilidade para a criação de janelas que nos levam ao íntimo e também para o que está para além da imagem. A partir da obra de artistas contemporâneos e do aprofundamento em estudos sobre as especificidades da fotografia, será encorajada a reflexão crítica e a criação poética da turma.
 
 
2) O cinema e a fotografia surrealista, com Rose May Carneiro e Raquel Pellicano
 
Rose May Carneiro
Possui bacharelado em Cinema pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), mestrado em Comunicação e Processos Culturais ( UnB) onde estudou o mito da marginalidade no filme O Bandido da Luz Vermelha. Atualmente, é doutoranda da linha Imagem & Som (FAC/UnB) com uma pesquisa sobre viagem, identidade e a incomunicabilidade nos road movies do Wim Wenders, além de professora de História do Cinema (FAC/UnB) e Fotografia & Iluminação na pós-graduação em audiovisual (FACITEC). No ano passado, foi júri de diversos festivais de fotografia e cinema e também atuou, intensamente, nos projetos sobre Filosofia da Imagem lá na Varanda Projetos Culturais. Tem larga experiência na área de Comunicação, com ênfase em cinema, fotografia, publicidade, semiótica e análise da linguagem visual.
 
Raquel Pellicano
Bacharel em Artes Plásticas pela Universidade de Brasília (UnB), Raquel Pellicano é fotógrafa e artista visual, com produção de cunho autoral, e experimentações em linguagem fotográfica. Com 25 anos, ministra cursos na área e está à frente do estúdio e da galeria do Espaço f/508 de Fotografia, Comercialmente fotografou diversos editoriais de moda, com trabalhos publicados nas revistas Vogue Brasil, Trip e Tabu. Em 2012, realizou uma palestra sobre fotografia e Retrato à convite da Fnac Brasília. Desenvolve atualmente os projetos RemanescênciasDesmanches e Pertencimentos.
 
 
Imagem inline 1
Foto: Tommy Ingberg

 

 
Sobre o Curso
 
Na década de 1920 a vanguarda francesa, representada por nomes como Luis Buñuel (Um Cão Andaluz, L’Âge d’Or), René Clair (A Nós a Liberdade) e Jean Vigo (À Propos de Nice), dedica-se a filmes experimentais inspirados em movimentos artísticos, como o dadaísmo, o cubismo e o surrealismo.
 
O surrealismo trouxe para o cinema e para a fotografia uma estética do “imediato”, irrefletida e onírica, repleta de imagens do inconsciente e, muitas vezes, carregadas de libido.
 
Há também alguns filhos do movimento que surgiram em datas ou locais distantes do seu ápice, entre eles destacamos: o brasileiro Limite(1931), de Mário Peixoto,  Julieta dos Espíritos (1965), de Federico Fellini, O Discreto Charme da Burguesia (1972) de Buñuel e El Topo (1970) de Alejandro Jodorowsky.
 
Com fotógrafos envolvidos nessa atmosfera e influenciados pela pintura e pelo cinema, a fotografia também foi suporte para grandes experiências surrealistas. A partir disso, começa uma solidificação no espectro das artes e se desprende, definitivamente, do status de espelho do real.
 
O curso do Núcleo de Cinema do f/508 oferece um panorama dos momentos surrealistas, tanto no cinema quanto na fotografia, com análise de trabalhos de cineastas e fotógrafos (Man Ray, André Kertész, Chema Madoz, Erwin Blumenfeld, Grete Stern, Rodney Smith, Uelsmann, dentre outros), de seu contexto histórico e características de um ensaio poético surrealista.
 
 
Um grande abraço,

 
 
-- 
Humberto Lemos

Espaço f/508 de Fotografia
SCLN 413 Bl D sala 113 – Asa Norte | Brasília/DF
Tels.: 61 3347 3985 
twitter: @f50
fb: espacof508defotografia

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

19591

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now