JAMES NACHTWEY - O INFERNO É AQUI NA TERRA.POR RICARDO RAMOS

Fonte:http://obviousmag.org/letras_perdidas/2016/james-nachtwey---o-inferno-e-aqui-na-terra.html

30/08/2020 12:19

 publicado em fotografia por 

Nachatwey regista os danos da guerra, longe dos bastidores do poder. Nestas terras, o galo não canta a anunciar a volta da aurora, os homens turvaram as suas vozes, as mulheres afogam-se em lágrimas e as crianças perdem a vontade de sorrir. As fotos dão voz a cidadãos comuns, afetados por um conflito que por vezes nem eles entendem. Ao mesmo tempo encontra também os verdadeiros heróis, os médicos e os trabalhadores humanitários, mas também as esposas, mães, crianças e padres que tentam aliviar a dor dos aflitos, fazendo questão de eternizar o momento, para que jamais sejam esquecidos. Porque através da fotografia somos eternos.


 

Em 1970 a guerra do Vietname encontrava-se no seu auge. Comovido pelas fotos que chegavam da guerra , James Nachtwey no despertar do seu nível pessoal e em busca do seu idealismo, resolveu definitivamente ser fotógrafo de guerra. Ir para onde mais ninguém quer ir. Começou a sua carreira como fotógrafo de um jornal do estado americano do Novo México, mudando-se mais tarde para Nova York para trabalhar como freelancer. Desde ai visitou lugares do mundo, como o Líbano, El Salvador, Chechênia, Afeganistão, entre outros lugares de conflito. Através das fotos de Nachtwey a miséria humana, deixa de ficar clandestina. É através desse trabalho que o levou a ser hoje considerado um dos mais prestigiados fotógrafos de guerra do mundo.

Somalia, 1992

James afirma que tentou a vida toda ser invisível e que enquanto fotógrafo, jamais quereria beneficiar da tragédia de outra pessoa, nunca procurou a fama, mas o seu trabalho é visível. As imagens são facilmente reconhecidas de imediato quando o tema é sobre conflitos de guerra.

Indonesia, 1998

A primeira coisa a notar – se em todas as suas imagens é a desordem e o caos. O clima é de medo ou raiva, a guerra é como o inferno. A beleza das fotos é uma questão polémica em cenas de sofrimento, crueldade e morte. Quase que nos atrevemos de “cair no pecado” de dizer que a guerra é bela. Ao visualizar as suas fotos, automaticamente, na nossa mente inicia-se uma música instrumental clássica, como uma banda sonora que acompanha as imagens. É até difícil perceber como é que alguém pode pensar tanto sobre a composição ou o estilo quando se está no meio de uma guerra, entre cadáveres, choro, gritos e lamentos. Uma das muitas fotografias reconhecidas, é a do rapaz da etnia hutu, em Ruanda, tirada em 1994, o perfil do jovem rapaz mostra cicatrizes na face, que contam uma história que jamais será esquecida, são marcas de catana que lhe atravessam o rosto. Valeu a Nachtwey o prémio World Press Photo em 1994.

Rwanda, 1994

Possuidor de uma personalidade silenciosa, misteriosa e tímida, de um perfeccionismo implacável, parece procurar incansavelmente momentos chocantes, como foi o caso dos pais que enterraram, entre uma dor insuportável, o próprio filho, vítima da barbárie da guerra. Porém, podem existir algumas dúvidas na nossa mente, tais como: Será que ele chora? Será que ele dorme à noite? Já que as fotos nos poderão causar algum tipo de sentimento, podemos tentar imaginar o sentimento causado a James Nachtwey que está a presenciar o momento in loco. Até porque não se trata de estar simplesmente a fotografar a dinâmica de guerra, de uma crise humanitária ou de uma qualquer injustiça política, é preciso saber enquadrá-la em termos humanos.

Chechnya, 1996

Carrega nos ombros, o título de corajoso, a imagem mítica do fotógrafo de guerra atual. Ao que ele repreende sempre, cada vez que assim é apelidado, afirmando que prefere ser tratado de fotógrafo "anti-guerra", porque as suas imagens além de alimentarem a história, tentam que haja uma modificação futura , numa tentativa de modificar e melhorar o nosso comportamento. Por vezes para sensibilizar é preciso chocar as pessoas, para uma profunda consciencialização e própria evolução do senso comum.

Zaire, 1994

Relembra-nos que o verdadeiro Inferno é aqui na terra. As imagens são fortes e de vez em quando surge a tentação de olhar para o lado e fechar os olhos, mas a visão é tudo, e fechar os olhos é perder a oportunidade de ver o trabalho de um dos melhores fotógrafos de sempre.

Chechnya, 1996

War Photographer foi lançado em 2001, é um documentário focado totalmente em Nachtwey, com uma visão de primeira pessoa. O diretor foi Christian Frei utilizou que utilizou micro câmeras especiais acopladas à câmara fotográfica do fotografo. Foi filmado em 2 anos durante os conflitos de Kosovo, Palestina e Indonésia.

Mais que um fotógrafo, Nachtwey é um contador de histórias, de terror?


RICARDO RAMOS

Bucólico desde sempre, educador e ecologista. Fotógrafo que procura incansavelmente todos os finais de tarde, lágrimas e sorrisos que colocam o meu universo em movimento. https://www.instagram.com/rmmramos/ https://www.facebook.com/rmmramosphotos/?fref=ts .
Saiba como escrever na obvious.



© obvious: http://obviousmag.org/letras_perdidas/2016/james-nachtwey---o-inferno-e-aqui-na-terra.html#ixzz6WcDWeeCx
Follow us: @obvious on Twitter | obviousmagazine on Facebook

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

16282

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now